Meio Ambiente

Certificação ISCC

 

Segundo a DIRECTIVA (UE) 2018/2001 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Dezembro de 2018 relativa ao fomento do uso de energia procedente de fontes renováveis, os biocombustíveis devem cumprir e verificar a sua sustentabilidade ambiental ao longo de toda a cadeia, desde o seu fabrico até ao seu consumo. Esta Directiva establece como objetivo a substitução de 10% do consumo de combustíveis fósseis por biocombustíveis de primeira e segunda geração. Os de primeira geração estão limitados a um máximo de um 7% e apresentam como desvantagem o facto de competir com a produção de alimentos. Os de segunda geração têm uma cota de consumo final de energia no sector do transporte de, ao menos, 3,5%. Todos os biocombustíveis devem ter origem em recursos certificados e devem ser verificados ao longo de toda a cadeia.

De todos os esquemas de certificação em quanto ao cumprimento e verificação dos biocombustíveis reconhecidos pela Comissão Europeia, o da Sustentabilidade Internacional e de Carbono (ISCC) (https://www.iscc-system.org) é o esquema de maior rigor e implementação a nível internacional. Este sistema é válido tanto para biocombustíveis como para produtos químicos derivados de biomassa ou de resíduos.

REGISTO DE PEGADA DE CARBONO

A pegada de carbono quantifica as emissões dos gases de efeito de estufa (GEI) libertados para a atmosfera, resultantes de levar a cabo uma actividade determinada, permitindo estimar o impacto gerado por dita actividade em quanto ao aquecimento global.

PRECO entende a pegada de carbono não só como um mero cálculo, mas sim como um primeiro passo de melhoria e compromisso com a redução das emissões GEI.

Comprometidos com os seguintes valores essenciais: